sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Avesso do avesso*


Era de um ateísmo fervoroso.

Até concluir que qualquer coisa
que gere tamanha descrença,
tamanho desprezo, não poderia
simplesmente inexistir.

O novo hábito não lhe caiu mal.


__________________________________________
* publicado originalmente nos minimínimos.

Um comentário: