terça-feira, 31 de maio de 2016

Quem?


quem vai nos proteger de nossos anjos protetores

quando quisermos viver

e eles vierem nos poupar as dores?


sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Sob o céu, dois pés no chão


Escrever um poema sobre o céu
sem rimar "Lua" com "nua",
sem a melancolia do azul,
nem falar em paz eterna,
nem de paraíso,
nem de chuva, nem de granizo,

um poema sem duplo sentido,
sem nuvens branquinhas
(que parecem de algodão)
e sem falar na cor do chumbo

um poema sobre o céu,
sem peso e sem leveza,
sem horizonte
e sem sol escaldante,

um poema, aliás, e principalmente,
que não diga "firmamento".

Um poema sem propósito:
apenas o chão por baixo,
o céu por cima
e nós entre essas duas linhas

escrever um poema sobre o céu
só pra ler as estrelinhas.

 

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Uma breve história de amor eterno


- Por favor, deixe eu amar você!

- Por que você está me pedindo isso?

- Porque eu já te amo.

- Tá vendo? Não precisa de autorização.

- Meu amor é incondicional e para sempre.

- Tá certo, se você diz... 

- Você promete me amar também?

- Não.

- Como não? Por que?

- Eu não preciso mesmo responder isso, né?

- Claro que precisa! Eu te amo, não mereço ser amado em troca?

- Mas seu amor não é incondicional?

________________________________
Publicado originalmente no blogue "Manufatura"
(http://manufatura.blogspot.com.br/)


sábado, 19 de dezembro de 2015

O (des)encontro


Jovem e idealista, andava pelo mundo “procurando se encontrar”.

Foi encontrado antes, por uma bala perdida.

domingo, 13 de dezembro de 2015

citações inventadas (5)


"Não importa o quanto você for amado pelas pessoas, não importa a saudade ou o tempo.
Ninguém, nunca, vai mostrar tanta alegria ao ver você quanto o seu cachorro."

(Ulisses, o Odisseu)

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

a temer , o que?


a temer , o que?

a temer, o ovo da serpente:

a temer, a própria traição
a temer, o desprezo dos traídos 
a temer, o desprezo dos que compram traidores
a temer, não a morte, que a terra é leve
a temer, não a terra, que é leve e fértil
a temer, a lama.

a temer, nada,  senão o próprio medo.
nada a temer, senão o próprio medo.
a temer, o medo. 
muito medo a temer.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

vi algo assim

...e a vítima vira algoz. 
mas o que era antes de ser vítima?

à morte, revida-se com mais morte. 
vidas ceifadas de todos os lados 
e celebra-se a violência como solução.


terça-feira, 21 de julho de 2015

Confissão


"Não, papai, com a fivela, não! Ele é pequeno, ainda! Bate em mim, pode ser? Fui eu que fiz, papai, não foi ele, não! Bate em mim, papai! Por favor!"

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Tentativa de haicai (12)


...e ouço do mestre:
 
hai! cair é só deixar
 
a ficha cair.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Três epitáfios para túmulos de poucas lágrimas

I
"...sempre amou para sempre. 
Para sempre enquanto. 
Foi assim todas as vezes
e sempre deixou de ser."

 
II
"O que foi, nunca deixa de ter sido."


III
"A eternidade cabe em um momento:
O infinito entre zero e um"

quarta-feira, 2 de julho de 2014

...


Chorou ao identificar o corpo. 

Ao pegar o lenço sentiu, ainda no bolso, a faca.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

até o fim do mundo


 em você
meu mundo se acaba
 pra renascer 

em flor de jabuticaba

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Aeroporto blues


...e o dia amanhece lá fora.
O sol se põe em Beijing
chove em Bora Bora.
Tanto queria queria ficar
quanto queria ir embora.
Só sei que o amanhã de ontem
chegou e já é agora.

domingo, 30 de março de 2014

Pergunta sincera


Afinal, 
        o que você quer ser   
        quando crê ser?


sexta-feira, 28 de março de 2014

Where have all the bloggers gone?


Após mais tempo do que devia, passeio pelos blogues nos quais, em outros tempos, encontrei a sintonia necessária em um mundo que se desintegra. Conheci blogues de loucos, poetas, sonhadores, muitos perdidos em sua sabedoria às avessas. E havia o meu, que me dava acesso a este grupo tão seleto de blogueiros. Muitos blogues sumiram. Dos restantes, tantos, como os meus, parecem condenados à melancolia do abandono. Os raros comentários nas postagens esparsas são sinais de alento, dizendo aos autores que não estão sós nesta solidão. 


Conheci muita gente bacana, as trocas de comentários e idéias semeavam e alimentavam novos escritos, junto com a sensação de pertencer a algo, talvez um exército de quixotes, cetáceos quase extintos, subindo à tona para respirar. 

O passeio foi bom e triste. 

Admiro e fico feliz por quem segue escrevendo, mesmo na sensação de que ninguém lê. (Afinal, para quem escreve quem escreve?)

Também admiro e compreendo quem desistiu. (Atire a primeira pedra quem nunca.)

Este espaço segue aqui, por enquanto, à míngua de escritos novos, mas marcando a possibilidade da existência, ainda que em estado latente. 



quinta-feira, 27 de março de 2014

desaforismo 10: A busca do sentido


A busca do sentido é o próprio sentido.

Para evitar a lucidez da loucura, busque uma ilusão, um fanatismo, algo que preencha o vazio dos dias. 

Trabalho, Família, Religião, Política, Diversão, Arte, qualquer coisa serve para tornar mais leve a espera.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

o (mau) passado que não passou

(fragmento de algo inacabado, mal começado, mal digerido) 


sem medo de ser feliz
lutei para mudar o país.
não para ver, como dantes,
policiais prendendo estudantes.

sábado, 5 de outubro de 2013

Lei áurea, grilhões, dourados

Imagem por Pawel Kuczynski, disponível aqui


"Damos nosso sangue, lá, e somos explorados, assediados, maltratados..."

"Ah, mas emprego é tudo igual. Agradeça a Deus. Pior é não ter!"


domingo, 21 de julho de 2013

manuscrito

Imagem: M.C. Escher
.

poetas de mãos e dores
.

a mão que escreve
poesia a mão
que escreve poesia


segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

PLENO


atravesso este sertão,
solitude inevitável,
em busca do não ser tão
nem tanto

apenas ser

a penas, ser


a pé, nascer.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Bora costurar!



Primeiro dia do ano,

agora é pouca manga

e muito pano.

sábado, 8 de setembro de 2012

SOMENTE


Eu não minto, 
apenas invento 
o que sinto.

ah este vento
só na mente
sopra o momento.

não, eu não minto!
o que invento
é o que sinto.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

anotações para um dicionário improvável (6)


autônomo (adj. m.; dauto: "a si mesmo" e nomos: " nome, categoria") :
  1. Diz-se de indivíduo que nomeia a si mesmo e/ou se permite tal capacidade. 

autônomo (s. m.; dauto: "a si mesmo" e nomos: " nome, categoria") :
  1. Aquele que define a si mesmo em termos de seus valores e crenças, e, assim, estabelece suas relações com o mundo e com os outros indivíduos;
  2. Aquele que cria sua própria identidade em relação ao mundo e, assim, funda a si mesmo.

autonomia  (s.f.): (de auto: "a si mesmo" e nomos: "nome, categoria")  :
  1. Característica daquele que é autônomo;
  2. Capacidade, habilidade e/ou liberdade de definir a si mesmo, criando, ou fundando, assim, sua própria identidade em relação ao mundo;
  3. Capacidade de criar a si mesmo em relação ao mundo e "ao outro".

nomear (v.t.; de nomos: "nome, categoria") : 
  1. Definir, conceituar, dar nome, constatar ou tomar conhecimento da existência de algo ou alguém;
  2. Conceder existência formal, fundar;
  3. Classificar, categorizar, incluir em um grupo ou sistema de classificação.
obs.: O que (ou quem) não tem nome não existe, ou não é reconhecido como existente (o que dá na mesma). É o ato de nomear que funda sua existência, ao reconhecê-la formalmente.


indivíduo (s. m.): aquele que tem identidade própria, única, exclusiva e indivisível. 
obs.: Um indivíduo, por definição, não pode ser dividido e nem fundido com outro para formar um terceiro. 


terça-feira, 28 de agosto de 2012

ampulheta



onde o deserto troca de lado
mas segue, sempre, deserto

vazio cada vez menos

tanto em cima
como embaixo

a areia que resta 
é a vida que escorre

enquanto o último grão 
solitário beduíno
assiste ao mundo que some
até o início dos tempos.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

SEMPRE UMA FALTA



Faltava descobrir o que faltava
depois, faltava lutar por mudança
daí, faltava descobrir 
que eu é que precisava mudar
Depois, faltava ver 
que eu tinha mudado


agora falta esperar 
a falta, finalmente, faltar.

domingo, 20 de novembro de 2011

AA


cada dia que nasce

eu renasço com ele


e só por hoje
(um dia de cada vez)
por vinte e quatro horas


eu me permito
ser definitivo.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

o pé, a pedra, o mundo e o caminho

(pro Carlos)

por andar
a pé, drummond
encontrou
a pedra, o mundo.

e a pedra

no meio do vasto mundo
tinha um caminho...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

ameopoemaoeomeiopoema


meio poema
é pó ou
é ema?

vêm da ema
lindas plumas
longas pernas
asas curtas

dos poemas
lindas plumas
duras penas
rimas duras

eu, que sou pó
permeio o meio poema
poema e meio

e então
os dois empoemo

por inteiro

sábado, 24 de setembro de 2011

citações inventadas (4)


Eu não sou quem eu sei!

Fica esta frase atribuída a Sócrates (469–399 a.C.) em seu estado normal
ou a qualquer intelectual material-racionalista-existencialista em um raro momento de epifania.

Embora seja, de fato, resultado de um lapso de escrita acidentalmente revelador de algo que permanece incompreendido.
Culpa do teclado, que insiste em trocar as letras (e/ou palavras) do autor destas maltraçadas.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Cria



Quando cria, apenas cria.

Hoje, dividido 
entre a vida 
  e a dúvida,
em nada mais creio.

E tudo em que antes cria,
agora em cio, eu mesmo crio.

.